Projeto Quilombo retoma rotina de atendimentos nos territórios do Alto Trombetas

Projeto Quilombo retoma rotina de atendimentos nos territórios do Alto Trombetas

Iniciativa segue agenda em 14 comunidades quilombolas  do Alto Trombetas 1 e 2, com foco na saúde preventiva. 

Ao cumprir o ciclo de sete meses de monitoramento e atendimentos, estendidos durante o período de pico da pandemia, beneficiando em torno de 6 mil pessoas de 25 comunidades tradicionais no oeste paraense, o projeto Quilombo retomou a rotina de suas atividades na região do Alto Trombetas 1 e 2 no mês de novembro, concluindo, neste mês de dezembro, o trabalho médico itinerante deste ano. A iniciativa faz parte do Programa de Educação Socioambiental da Mineração Rio do Norte (MRN), em atendimento às condicionantes do Ibama.

O projeto segue com os atendimentos mantendo todas as medidas de prevenção e conscientização em relação ao uso de máscaras, isolamento social e higienização das mãos. “Felizmente, a abordagem e a estratégia adotadas de tratamento têm sido extremamente efetivas. O protocolo de retomada à rotina de atendimentos segue orientações estabelecidas e acordadas com o Hospital de Porto Trombetas e com a Secretaria Municipal de Saúde de Oriximiná, incluindo distanciamento social, uso obrigatório de máscara, álcool em gel, sabão, padrões básicos de higienização e, assim, a gente consegue orientar”, comenta Dr. Joseraldo Furlan, conhecido como “Dr. Jô”, médico que conduz o projeto em campo.

Neste mês, a equipe do projeto Quilombo pode confirmar que boa parte das comunidades conscientizou-se sobre a importância da saúde preventiva, resultado das orientações durante os trabalhos de campo ao longo deste ano de pandemia. “Muitas comunidades realmente procuraram se preservar. Felizmente, o resultado foi positivo, mesmo com alguns poucos casos de contaminação apresentados nas comunidades de ribeirinhos e quilombolas, a conduta terapêutica e o tratamento precoce foram extremamente eficazes. Isso para gente é muito importante”, relata o Dr. Jô.

FOTOS DO PROJETO

Para o agente comunitário de saúde da comunidade Palhal e liderança local José Adomiro, conhecido como “Bila”, a extensão do projeto gerou melhoria para as comunidades, que precisavam de uma iniciativa que viabilizasse atenção à prevenção sobre a covid-19. “Foi um trabalho que não parou e foi muito gratificante porque fortaleceu os atendimentos no Território Quilombola de Alto Trombetas 2. As pessoas são bem atendidas. Esperamos que este projeto possa se estender por mais um tempo dentro do nosso território”, comenta.

A relevância de fomentar a medicina preventiva e básica da saúde em comunidades remotas, como as atendidas pelo projeto Quilombo, é destacada pelo diretor de Sustentabilidade da MRN, Vladimir Moreira. “Este projeto é uma das frentes fundamentais para garantir a saúde preventiva das comunidades da região do Alto Trombetas 1 e 2, contribuindo com atendimentos de qualidade para o bem-estar de centenas de pessoas anualmente e, especialmente neste ano de pandemia, conscientizando-as para redobrar os cuidados”, declara Moreira.

Para a agente comunitária de saúde Maria Cileusa, moradora da comunidade Paraná do Abuí, do território quilombola Alto Trombetas 1, o projeto Quilombo deu o suporte necessário às comunidades durante a pandemia. “Tivemos uma supervisão muito boa com atendimento a pacientes que estavam com sintomas de covid-19 em suas residências além de orientação persistente aos pacientes para ficarem em casa. Foi o apoio que as comunidades precisavam. O atendimento de rotina pelo projeto segue com boa qualidade”, destaca a agente comunitária de saúde.

As ações do Projeto Quilombo são complementares às do poder público, que é o principal responsável pela coordenação das políticas de saúde. “Para a MRN e as comunidades envolvidas, é de grande importância a cooperação da Secretaria de Saúde do Município de Oriximiná. As parcerias nos fortalecem e garantem que as ações estejam alinhadas às políticas públicas de saúde. E essas, por sua vez, estão sujeitas ao crivo da sociedade, por meio dos mecanismos participativos de controle social. Isso é fundamental para a garantia de bons resultados”, avalia Jéssica Naime, gerente de Relações Comunitárias da MRN.

O Projeto Quilombo é uma ação da MRN em resposta a uma condicionante socioambiental, que busca fortalecer as ações de saúde na região do Alto Trombetas a partir de três pilares: ações de prevenção, atendimento básico em saúde e disseminação da informação. Nesse sentido, além do atendimento presencial nas comunidades realizado por uma equipe formada por médico, enfermeiros e agentes de saúde, as ações educativas são de fundamental importância para a prevenção de doenças, cujos protagonistas são os próprios comunitários, ribeirinhos e quilombolas.

Sobre o projeto – O Projeto Quilombo atende 14 comunidades do Alto Trombetas 1 e 2 com serviços de assistência à saúde para tratar e prevenir patologias. São oferecidos serviços de pré-natal, atendimentos em clínica geral e enfermagem, Hiperdia para acompanhamento de hipertensos e diabéticos, planejamento familiar, vacinação, distribuição de medicamentos, exames laboratoriais e palestras informativas. Por meio do projeto, também são desenvolvidas iniciativas de combate à desnutrição.

FONTE: Comunicação/MRN

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS